Pesquisar este blog

domingo, 15 de julho de 2012

Encontro de Conselhos do 1º Distrito




Aconteceu ontem, dia 14 de julho o Encontro de Conselhos do 1º Distrito na cidade de Petrópolis, na sede da fraternidade do Sagrado Coração de Jesus. Vivemos momentos de convívio fraterno e formação e dinâmica baseadas no texto “Laicato Maduro e Significativo para novos tempos” escrito pelo Assistente Nacional da OFS Fr. Almir Ribeiro Guimarães.

No encerramento do encontro, foi a celebrada a Eucaristia pelo Fr. Edcarlos Hoffman, OFMCap, Assistente Espiritual  do Regional.






Agradecemos a acolhida carinhosa dos irmãos da Fraternidade do Sagrado Coração e dos irmãos do Conselho Regional.

Abaixo transcrevemos o texto na íntegra, conforme publicado pelo autor em http://www.franciscanos.org.br




Laicato maduro e significativo para novos tempos
Frei Almir Ribeiro Guimarães (*)

A Ordem Franciscana Secular é a mais antiga forma de organização de leigos que, guiados pela Igreja, unidos em fraternidade e inspirando-se no ideal de São Francisco de Assis, se empenham em testemunhar com a vida o Evangelho de Jesus Cristo e se dedicam ao apostolado no estado laical (Palavras de João Paulo II dirigidas aos franciscanos seculares)
Os franciscanos seculares encontram na Regra o projeto evangélico e o auxílio necessário para poderem se tornar efetivamente instrumentos da reconciliação universal operada por Cristo. Tal projeto franciscano supõe a colaboração com a ação de Deus no interior das estruturas humanas. A expressão “no interior” é de fundamental importância porque afirma que a santidade, a “perfeição da caridade” que os franciscanos seculares são chamados a realizar, não passa “acima” de sua condição humana, tanto individual como social, não se realiza “apesar” de viverem em família, de trabalharem, estudarem, lutarem por uma sociedade mais justa, pela justiça, pela paz…, mas – essa é a grande verdade que Francisco intuiu – tal santidade é alcançada precisamente pelo fato de viverem fiel e evangelicamente todas as situações próprias da condição secular (Manuale per l’assistenza all’OFS e alla GiFra, p. 89).

1. A Ordem Franciscana no Brasil tem refletido sobre muitos temas importantes que visam alimentar a vida dos irmãos e das irmãs. Nos últimos tempos temos estudado a questão do senso de pertença à Ordem, as características de nossa identidade, a ação concreta no mundo, a presença dos irmãos no mundo, o senso missionário, a revitalização de nossa vida fraterna e das reuniões gerais, o cuidado pelo criado. Duas questões parecem nos preocupar no momento: Como formar na OFS um laicato vigoroso e maduro? Que expressão têm os franciscanos seculares em nossas dioceses e no mundo?
2. Não há dúvidas. Os franciscanos da Terceira Ordem são seculares. Secular não quer dizer pessoa que adota o secularismo, ou seja, exclusão do mistério da Transcendência. Os terceiros vivem no mundo. Casam-se, trabalham, empenham-se por viver o Evangelho na sociedade dos emergentes, do neoliberalismo, do consumismo, da comunicação e da exclusão. Inquietam-se com tudo aquilo que, no mundo, é contra o espírito cristão, a espiritualidade franciscana e a Regra que professaram. Inquietando-se com isso, dão testemunho do contrário. São seres leves, alegres e transparentes.
3. Nas últimas décadas falamos sempre em Ordem Franciscana Secular. Insiste-se, portanto, no secular. Esse secular é para valer. Documentos exarados de Capítulos da Ordem em diferentes níveis nos últimos tempos insistem na presença dos irmãos no mundo. Na medida em que os candidatos à vida franciscana secular forem sendo formados no espírito da Regra, esperamos poder ter em nossas fileiras um laicato maduro e nossas fraternidades serão significativas, ou seja, irradiarão o Evangelho no meio das realidades terrestres.
4. Teoricamente estamos todos de acordo que a OFS seja caracterizada pela atuação no mundo. Uma coisa é a teoria e outra, a prática. Os membros da Ordem não são franciscanos “apesar” de serem casados, de terem filhos, de trabalharem na abertura das estradas ou na bolsa de valores. Estamos diante de leigos corajosos que implantam o Reino nas realidades terrestres e suas primeiras e fundamentais preocupações não podem ser as atividades litúrgicas e os serviços religiosos “ad intra”. Estão postados diante de um mundo cheio de desafios e têm a missão de torná-lo cristão. Haverão de se constituir numa laicato maduro e significativo para os novos tempos.
5. Vivemos tempos novos na Igreja e no mundo. Não nos cansamos de dizer isto. O mundo destes primeiros anos do novo milênio tem pouco a ver com a década de 40 ou 50 do século passado. Na Igreja e no mundo não podemos nos aferrar a posicionamentos que se tornaram obsoletos, anteriores a toda a uma série de reformas e atualizações (aggiornamento) da Igreja. O passado e a maneira de viver o cristianismo e o franciscanismo ficaram estreitos e não cabem mais em nós como uma roupa que ficou apertada. Não podemos nos enclausurar no passado e viver da nostalgia. Temos que olhar para frente e imaginar um amanhã conforme o desejo do Espírito. Estamos terminantemente proibidos de viver a vida cristã franciscana como mera repetição do passado. Seria faltar com a coragem de acolher a novidade do Espírito. A Regra que a Igreja nos deu aponta para tempos novos.
6. A Ordem Franciscana Secular, de modo especial pela “modernidade” de sua Regra, é constituída de homens e mulheres dos tempos novos. Algumas de nossas fraternidades ainda respiram os ares anteriores à promulgação da Regra e de sua assimilação. Estamos convencidos de que as fraternidades novas que vão surgindo serão grupos que darão substanciosa contribuição para tornar o mundo mais humano e a Igreja mais e mais sacramento, sinal do mundo novo. Imaginamos os franciscanos seculares leigos maduros e em franco processo de amadurecimento.
7. O tema de um laicato maduro se une ao de um grupo que tenha significação, que seja expressivo no atual contexto do mundo e da Igreja. Que visibilidade têm as fraternidades franciscanas seculares? Que influência têm os membros na Ordem nas paróquias, na dioceses e na vida da cidade? O simples fato da existência de uma fraternidade é levado em consideração, reconhecido, pelos membros de uma paróquia? Que influência exerce a OFS na Igreja do Brasil? Será que está desempenhando, nos diferentes níveis, um papel decisivo de reconstrução da Igreja no começo deste novo milênio? De que visibilidade gozamos? Leigos, bispos e sacerdotes esperam de nós colaboração na transformação da realidade e da Igreja? A OFS deverá ser constituída de um laicato maduro e expressivo.
8. Laicato – Não é aqui o lugar de fazer um tratado sobre esse tema vasto e complexo. Não pretendemos entrar em polêmicas. Documentos sérios e sólidos da Igreja tratam do assunto. Mencionamos aqui apenas dois deles: a Exortação Apostólica sobre a Vocação e a Missão dos Leigos de João Paulo II (Christifideles laici) e o Documento de Aparecida. Muitos outros deveriam ser mencionados. Os leigos são cristãos incorporados a Cristo pelo batismo. Formam com bispos, padres, diáconos, religiosos e religiosas o povo de Deus. Participam das funções de Cristo sacerdote, profeta e rei. No dizer do documento de Puebla são homens da Igreja no coração do mundo e homens do mundo no coração da Igreja. Sua missão própria se realiza precisamente no mundo e não nas atividades internas da Igreja mais vinculadas ao ministério dos pastores. Sua presença e sua ação visam transformar o mundo. Ajudam no nascimento de estruturas justas no meio do mundo.
9. Evangelii Nuntiandi: “A sua primeira e imediata tarefa (dos leigos) não é a instituição e o desenvolvimento da comunidade eclesial – esse é o papel específico dos Pastores – mas sim, de pôr em prática todas as possibilidades cristãs e evangélicas escondidas, mas já presentes e operantes nas coisas do mundo. O campo próprio de sua atividade evangelizadora é o mesmo mundo vasto e complicado da política, da realidade social e da economia, como também da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos meios de comunicação e, ainda, outras realidades abertas para a evangelização, como seja, o amor, a família, a educação das crianças e dos adolescentes, o trabalho profissional e o sofrimento (Evangelii Nuntiandi, n . 70).
10. Os leigos cristãos através de sua vida haverão de tornar crível a sua fé de modo especial através de uma conduta humana e cristã marcadas pela coerência. Serão chamados a participar na ação pastoral primeiro pelo testemunho de vida, pela atuação nos campos assinalados por Evangelii Nuntiandi e, segundo lugar, com ações no campo da evangelização da animação liturgia e orante das comunidades.
11. Não podemos deixar de mencionar, no contexto deste tema, uma das prioridades do apostolado evangelizador dos leigos: a ação evangelizadora da família. Novamente é Evangelii Nuntiandi que insiste. Fala da Igreja doméstica. A família, como a Igreja, tem por dever ser um espaço onde o Evangelho é transmitido e donde o Evangelho se irradia. Belamente assim se exprime o documento: “No seio de uma família que tem consciência desta missão, todos os membros da mesma família evangelizam e são evangelizados. Os pais não somente comunicam aos filhos o Evangelho, mas podem receber deles o mesmo Evangelho profundamente vivido” (n. 71).
12. Quando falamos da realidade e missão dos leigos não podemos deixar de mencionar a força das imagens do sal da terra, luz do mundo e fermento da massa. Christifideles Laici assim se exprime: “As imagens evangélicas do sal, da luz e do fermento embora se refiram indistintamente a todos os discípulos de Jesus, têm uma específica aplicação nos fiéis leigos. São imagens maravilhosamente significativas, porque falam, não só da inserção profunda e da participação plena do fiéis leigos na terra, no mundo, na comunidade humana, mas também e sobretudo, da novidade e da originalidade de uma inserção e de uma participação destinadas à difusão do Evangelho que salva” (n. 15).
13. Laicato maduro – Maduro é um termo que vem da botânica. Os frutos começam a aparecer depois da floração. Com o sol, a chuva, os cuidados do agricultor vão se desenvolvendo e chegam a ficar maduros. Trata-se de um processo que, caso por caso, demanda tempo. Podemos falar de um laicato maduro em muitos sentidos e desdobramentos que não podemos esmiuçar no limite desta reflexão. Trata-se de termos na Igreja e na Ordem uma plêiade de leigos e leigas em nítido processo de amadurecimento. Não há pessoas completamente maduras, mas em processo de amadurecimento. Para os cristãos, a verdadeira maturidade se chama santidade. Podemos falar de uma maturidade humana, afetiva, cristã, franciscana e missionária.

14. No frenesi das coisas e da pressa de nossos tempos, na aceleração de tudo notamos que as pessoas querem tudo muito rapidamente. Não dão tempo ao tempo e o processo de maturação. Imaginemos, caricaturalmente, uma situação. Um moço tem seus 15-16 anos. Estuda sem estudar de verdade. Tem pai e mãe, mas não é de fato envolvido por eles num processo de educação. Encontra-se com uma menina, vive um envolvimento amoroso, abandona essa, se casa com outra, faz faculdade, exerce a profissão, mas não visita seu interior. Casa-se e se separa. Passa a pagar pensão para o filho. Depois é convidado a frequentar uma dessas igrejas novas. Como é que esse moço pode crescer em maturidade? Nota-se que muitos se tornam maduros, desenvolvidos em partes de sua vida e não realizaram uma maturação global e integrada. São técnicos de informática mas não têm domínio algum sobre outros aspectos de sua personalidade. São infantis e imaturos. Não nos esquecemos que muitos desses podem ser membros de nossas fraternidades e eventualmente serem escolhidos para fazerem parte do Conselho. Não se compra maturidade nas gôndolas e prateleiras dos centros comerciais.

15. Traços humanos de maturidade
>> O homem é mais do que sua aparência. Uma pessoa adulta ou em processo de maturação não julga pelo exterior. Sabe que os verdadeiros valores pessoais e dos outros estão no interior.
>> É sobretudo um ser de relações. Será maduro quando souber viver serenamente os relacionamentos entre as pessoas.
>> Maduro é aquele que vai organizando um projeto de vida, tendo um buquê de convicções, não se deixando atropelar por emoções e pelos caprichos dos acontecimentos.
>> Maduro é aquele que consegue desenvolver boa parte das dimensões de seu ser: inteligência, vontade, afetividade, profissão, arte da convivência. Adulta é a pessoa que sabe realizar projetos com outros.
>> O adulto não é marcado pela agressividade e susceptibilidade. Possui serenidade e segurança interiores.
>> A pessoa em processo de maturação  não se considera o centro do mundo e das atenções e vai aprendendo a fazer o êxodo de si e ser solidária.
>> Dizemos que o adulto é pessoa em processo de maturação e, persistente, sem ser teimosa.
>> É criativo: não se contenta a repetição do que foi visto e vivido.

>> Sabe recolher as lições do passado e adivinha os passos a serem dados amanhã.
>> É capaz de buscar o silêncio, a reflexão. Viaja ao fundo do coração.
>> Não é ingênuo, mas  tem senso crítico e sabe discernir.
>> Tem senso de responsabilidade e aprendeu a assumir compromissos.
>> Tem senso de humor: é capaz de rir de si mesmo. Sabe conjugar alegria e seriedade.
>> Madura é a pessoa que não é doentiamente dependente, mas autônoma. Sabe respeitar as pessoas. Não tem desejo de posse.
>> Tem flexibilidade de julgamento, guardando distância entre a dureza ou a teimosia e o deixar que as coisas corram por correr.
>> Maduro é aquele que tem critérios e não se deixa influenciar por modismos ou fanatismos que passam.
 >> Maduro é aquele que tem capacidade de escutar, de dialogar, saber esclarecer-se pela fala do outro, dar sua colaboração para que situações sejam revertidas.

16. Traços do leigo cristão em processo de maturação
>> É fundamental que fique bem claro: clérigo é clérigo, religioso é religioso e leigo é leigo. Cada um destes tem sua especificidade e, consequentemente, terão expressões diferentes no mundo e na Igreja.
>> Pessoa cristãmente madura é aquela que se deixa guiar pelo Espírito e não pela carne, pelo desejo de aparecer e de atribuir a si o que é dom de Deus. O cristão é formado pela ação do Espírito em sua vida e na comunidade cristã que frequenta.
>> Trata-se de uma pessoa que vai dando uma resposta pessoal e comunitária ao Evangelho e suas exigências ao longo de sua vida, percorrendo um caminho constante  de busca do Senhor. Esse caminho podemos chamar de “conversão”.
>> Pessoa que tem senso de comunidade. Não vive uma religião privada e particular. Sabe que o Ressuscitado se manifesta no coração da comunidade cristã.

>> O cristão em processo de maturação leva uma vida de oração sólida. Tem aguçada preocupação com seu crescimento na intimidade com o Senhor. Vive alegria particular em rezar com os irmãos. Valoriza, de modo especial, a Eucaristia. Participa o mais que pode da missa.
>> Cristão leigo maduro é aquele que não se atém a aspectos menos centrais do cristianismo: procissões, devoções, apego exagerado aos santos. Maduro é o cristão que vive intensamente em sua vida pessoal o mistério da Páscoa: morte e ressurreição com  Jesus. A espiritualidade das espiritualidades é a do mistério pascal.
>> Pessoa cuja fé é centrada, efetivamente, na pessoa de Cristo que busca com ardor e constância. Frequenta o evangelho e tenta se revestir do espirito evangélico.
>> Está em processo de amadurecimento aquele que busca a unidade, na diversidade.
>> É capaz de se re-situar na vida. Enxerga os desafios e tem confiança de que poderá superá-los.Pensamos aqui no caso de alguém que perde um ente querido, que é tocado por uma grave enfermidade em casa.  Tem compreensão da dimensão luminosa do sofrimento e da cruz.
>> Mostra sintomas de amadurecimento o cristão que sabe colocar-se à disposição do Senhor em diferentes circunstâncias.
>> Na medida em que vai fazendo sua caminhada humana e cristã tenta poder dizer com Paulo: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”.
>> Não se deixa levar pelos carismas exteriores e vistosos.  Prefere  ocupar um lugar discreto.
>> É perseverante em seus propósitos. Seu sim e sim e seu não é não.
>> Tem um aguçado senso de Igreja, sobretudo do profundo mistério da Igreja que é criatura de Deus, esposa de Cristo, Corpo Místico de  Cristo.
>> Vive a dinâmica do ver-julgar-agir. “A missão do leigo na sociedade apresenta-se hoje à consciência cristã como uma forma de evangelização, em que aspectos diversos podem ser acentuados, conforme o apelo das circunstâncias e a vocação pessoal de cada um: quer na transformação das realidades terrestres, pela ação social e política, quer no anúncio da mensagem evangélica pela palavra, pelo testemunho de vida e pelo diálogo, sempre em atitude de serviço inspirada pelo Cristo que veio para servir” (Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas, Doc. CNBB 62, p. 103).

17. Maturidade franciscana
>> O franciscano está em constante estado de amadurecimento. Hoje, toda a Ordem anda preocupada com a formação permanente.
>> De alguma forma, com o decorrer do tempo,  o franciscano como que respira o ar dos primórdios do carisma franciscano e clariano. No tempo da formação, ele vai se identificando com o jeito franciscano de viver. Traz o carisma para os dias de hoje.
>> Cresce na intimidade do Senhor: frequência às páginas do Evangelho, familiaridade com o Evangelho vivo que se chama Jesus Cristo.
>> Vive um estilo de vida despojado: não gosta de ser protagonista de coisas grandiosas. É despojado no vestir, no uso das coisas, sem aferrar-se às suas opiniões.
>> Instaura a paz onde há querelas, divisões e partidos. É construtor da paz.
>> Sabe que a fraternidade é elemento importante em seu gênero de vida: fraternidade local, fraternidade com os membros da família franciscana, instauração de fraternidades cristãs por onde passa.  Coloca-se à disposição de sua fraternidade local. Inventa meios e modos de fazer com que as pessoas façam experiências solidas de verdadeira fraternidade.  Para o franciscano secular a fraternidade em que vive é parábola do reino.
>> Sabe subordinar seus projetos aos projetos de Deus em sua vida, na fraternidade e na comunidade.
>> Maduro quando tenta alternar de maneira equilibrada e sábia momentos de contemplação e ação no mundo.

 18. Por que se tornou difícil o processo de amadurecimento?
 >> Uma pessoa em sério processo de amadurecimento, em vias de tornar-se adulta de verdade, é uma preciosidade. As pessoas amadurecem ao longo da vida, percorrendo as estações da existência, na sucessão de experiências pessoais e comunitárias, na paciência do tempo.  Cada biografia tem suas marcas próprias de amadurecimento  existencial.
>> É preciso dar tempo ao tempo. O amadurecimento se faz através da lentidão do tempo. Andamos todos apressados, temos muito que fazer, fazer rapidamente e assim fica difícil que os amores, as falas, os escritos, a família, a fraternidade franciscana amadureçam.

 >> Sem uma verdadeira escala de valores e sem respeito pela transcendência fica difícil o processo de amadurecimento. Vivemos num tempo de profunda crise ética e assim muitos somos desarrumados interiormente.
 >> Há a prevalência da lei do menor esforço, do desejo de se obter aqui e agora e já o que se deseja.
>> Estamos no mundo do individualismo, marcado pelo desejo de aproveitar a vida. Multiplicam-se as experiências sexuais desde o tempo da adolescência.
>> Uma pessoa amadurece quando assume compromissos. Ora, vivendo compromissos “leves”, pulando de meta em meta sem esgotar as riquezas do primeiro compromisso,  o interior das pessoas não chega a se arrumar de verdade.  As pessoas têm medo de compromissos definitivos. Têm receio de serem escravizadas por camisas de força (casamento definitivo, vida religiosa, profissão).
>> Diante de um leque imenso de possibilidades e eventualidades  as pessoas se acham perdidas e, indo de um lado para o outro, de Seca a Meca, não se aprofundam em nada.  Diante do imenso leque de possibilidades as jovens gerações têm dificuldade de amadurecer.
 >> Há a questão do amadurecimento cristão das novas gerações. Muitos são simplesmente  “catequizados” por um tempo e não vivem um contato permanente  com a fé e suas mais sólidas expressões. Falta uma catequese familiar, ou simplesmente uma família sólida. Nossas paróquias não conseguem fazer com que bom número de cristãos  conheçam um crescimento sistemático da fé.  Não favorece a maturação da fé uma sacramentalização  apenas com pinceladas de evangelização.
>> Sem visitas constantes e regulares ao interior as pessoas podem conhecer dificuldade de um crescimento mais sistemático.
 >> O mundo das imagens e do som pode ser obstáculo ao amadurecimento tomado globalmente.

 19. Desafios e urgências
>> Todas as reflexões que aqui foram feitas colocam os franciscanos seculares diante de urgências e de desafios.
>> Os franciscanos seculares experimentam alegria de serem leigos e não têm “saudades” ou “desejo” de serem clérigos. Mesmo quando prestam serviços à paróquia ou à diocese em diversos setores do culto e da evangelização são pessoas que experimentam alegria muito grande de serem fiéis cristãos leigos. Sabem que sua missão é colocar a força do evangelho nas coisas do mundo.
>> Os franciscanos seculares se aproximam bastante do modo de ser e de agir da Ação Católica com seu famoso e bem provado método do ver-julgar-agir. São peritos na arte de examinar a realidade e tentar impregná-la da espiritualidade evangélico-franciscana. Assim, dão largos passos na linha de sua maturação cristã.  Fala-se de uma militância dos leigos.
>> Fazem de sua casa uma verdadeira Igreja doméstica, com toda maturidade de uma espiritualidade leiga. Tudo leva a crer que as fraternidades franciscanas seculares, na medida do possível, deveriam poder contar com um número razoável de casais. Em muitos momentos no “território” e na vida das fraternidades  sejam promovidos encontros com as famílias. Dentro do espírito da secularidade os franciscanos seculares exercem grande apostolado no seio da própria família e junto a outras famílias. Vivem franciscanamente a espiritualidade conjugal e familiar.
>> Adotam uma postura de simplicidade e de pobreza evangélica num mundo de sofisticação, de esnobismo, de consumismo e de gastança. Assim “fermentam” evangelicamente a realidade. Visibilizam-se como seguidores do Francisco amante da pobreza.
>> Os franciscanos seculares estarão presentes com frequência e competência no bairro que moram, na rua onde residem. As alegrias e dramas de seus vizinhos são suas alegrias e seus dramas. Desta formam “exprimem” seu desejo de proximidade da vida das pessoas.
>> Adotam posturas de ética que transpiram convicções evangélicas. Tal se dá individualmente, no jeito como reagem em suas fraternidades. No dia a dia de suas vidas serão conhecidos como pessoas que tomam decisões na linha da justiça inspiradas no evangelho. Não é um jeito de tornar expressiva a OFS?
>> Sabem dialogar a respeito dos grandes temas da atualidade: novas formas de casamento, crise econômica, transformações na bioética. Por isso, os formadores saberão sempre trazer pessoas capazes de conversar com os irmãos sobre esses e outros grandes temas da atualidade.
>> Trabalham com lucidez nas diferentes frentes de pastoral. Os franciscanos seculares estão à disposição dos Conselhos de Pastoral. Estão dispostos a trabalhar na catequese, na evangelização, na animação de grupos de reflexão e mesmo na liturgia e  no serviço do alto. Fazem tudo sem perder sua “laicidade”. Não se deixam envolver por uma “promoção” ao estado clerical. Este aspecto é particularmente delicado. Os párocos e seus colaboradores  contarão com a colaboração dos terceiros desde que não percam sua características de cristãos seculares. A OFS  não é uma “pastoral” da paróquia, mas um movimento suscitado pelo Espírito para colocar alma nova em tudo, também na pastoral.

>> Os que trabalham na pastoral querem uma conversão da pastoral. “A conversão pastoral de nossas comunidades exige que se vá além de uma pastoral de conservação para uma pastoral decididamente missionária. Assim será possível que o único programa do Evangelho continue introduzindo-se em cada comunidade eclesial com novo ardor missionário, fazendo com que a Igreja se manifeste como mãe que vai ao encontro, uma casa acolhedora, uma escola permanente de comunhão missionária” (Doc. Aparecida, n. 370).
>> Nunca trabalharão na linha de uma mera sacramentalização. Os franciscanos seculares precisarão “incomodar” no sentido de apontar para a necessidade de se refazer o tecido comunitário e fraterno e que se procure fazer uma evangelização que atinja o nó de cada pessoa e as insira na comunidade, na utopia da comunidade.

 Conclusão
“Os franciscanos seculares  estejam presentes… no campo da vida pública: colaborem, quanto lhes seja possível, na elaboração de leis e de normas justas (cf.Regra 15). No campo da promoção humana e da justiça, as Fraternidades devem empenhar-se com iniciativas corajosas, em sintonia com a vocação franciscana e com as diretrizes da Igreja. Tomem posições claras quando a pessoa humana é ferida na sua dignidade em virtude da opressão e da indiferença, qualquer que seja sua forma. Ofereçam seus serviço fraterno às vítimas da injustiça. A renúncia ao uso da violência, característica dos discípulos de Francisco, não significa renuncia à ação; os irmãos, porém, cuidem que as suas intervenções sejam sempre inspiradas no amor cristão” (CCGG Art. 22)

 Leituras
Exortação Apostólica Vocação e Missão dos Leigos, de João Paulo II
Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas (Doc. CNBB  62).
Carta a Diogneto  (em torno de 150).

Questões e questionamentos:

O quem mais chamou sua atenção neste texto?

De modo geral quando é que se pode dizer que um cristão-franciscano está em serio processo de crescimento?
Como aplicar à realidade o método ver-julgar-agir?
Sinais de maturidade e de imaturidade no momento atual da vida da Igreja e de nossas fraternidades.
Que expressão tem sua fraternidade local na diocese, na paróquia e no mundo?

(*) Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM
Assistente Nacional da OFS pela OFM e Assistente Regional do Sudeste III



Aproveitamos a estada em Petrópolis e visitamos nossas irmãs da Escola Doméstica da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora do Amparo e fomos carinhosamente acolhidos pela irmã Justiniana. http://www.franciscanasdoamparo.org.br






sexta-feira, 13 de julho de 2012

A reunião, escola de fraternismo franciscano


A Tríplice inspiração com que Deus suscitou em Francisco o amor fraterno teve, entretanto, consequências extraordinárias. De fato, O Senhor não lhe deu apenas a semente, mas o convocou a semear e a suscitar semeadores. Inspirou-lhe ser o modelo, segundo o qual deveria surgir um carisma expresso também por três modelos de vida: A dos frades da Primeira Ordem, a das freiras da Segunda Ordem e a dos leigos da Ordem Franciscana Secular. Todos os que optaram por algum destes três Estados de vida estão convocados a reconstruir a Casa de Deus em ruínas, a banir do meio do povo de Deus o egoísmo, semeando, em seu lugar, o amor fraterno que leva o perdão e a paz. Todos tem o mesmo modo de abastecer-se daquela semente de amor e de aprender a semeá-la _ a vida em comum. Enquanto para os frades e as freiras essa vida em comum decorre no Convento, os leigos terciários a realizam na reunião geral. É ali que devem adquirir a nítida e firme consciência de que estão convocados como apóstolos desse amor. É ali a escola em que aprenderão, pela palavra de seus formadores e pela prática uns com os outros, o modo de viver, e de testemunhar, no mundo, o fraternismo franciscano. É em Fraternidade reunida regularmente, aprendendo e praticando a oração em comum, o Evangelho, e a Espiritualidade de Francisco, doando-se uns aos outros, abnegando a vontade própria em favor do irmão, que o Terceiro se capacita para ser semeador, o apostolo que Deus quer ver nos filhos leigos de Francisco. Aí está a razão de ser imprescindível às frequências das reuniões gerais, o motivo de ser exigida, como obrigação imperiosa, na Regra, nas Constituições e nos estatutos civis da OFS.Frei Mateus Hoepers, OFM  Novas Fraternidades Franciscanas Seculares Ed. Vozes/CEFEPAL, Petrópolis 1979.

Reunião Geral da Fraternidade - 01 de julho de 2012 - Visita Fraterna Pastoral



Em nossa reunião geral ocorrida no dia 01 do mês de julho, tivemos a Visita Fraterna Pastoral dos nossos irmãos do Conselho Regional, Vice Ministro irmão Arion Fernandes e o Assistente Espiritual Fr. Fernando Araújo, OFM.







Arion praticou uma dinâmica com a Fraternidade onde os irmãos sorteados puderam expor suas opiniões sobre como está a vida da Fraternidade e como estão sendo desenvolvidos os serviços prestados pelos irmãos do Conselho Local.




Estiveram presentes na mesma reunião as professoras Heloisa Helena e Elizabeth Benaion, nossas convidadas nos trouxeram muita alegria e a professora Heloisa Helena fez uma pequena palestra sobre a sua tese de doutorado que é a respeito de “uma mulher devotada a causa da Educação no Brasil que, durante toda a sua curta vida, defendeu que a Educação pudesse chegar a todos, especialmente aos mais pobres, no que provavelmente a inspirou São Francisco.” Uma grande educadora, mulher a frente de seu tempo e primeira em tudo que se propôs fazer, a nossa irmã Esther Pedreira de Mello que foi a primeira Ministra e uma das fundadoras da Fraternidade de Santo Antônio em 1911.



Foto da professora Esther Pedreira de Mello. A foto pertence a Galeria de Diretores do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ) onde em 1919, Esther foi a primeira Diretora do sexo feminino.



 A alegria foi imensa na manhã do domingo, pois também recebemos no salão de reuniões do Convento de Santo Antônio a presença e benção de Fr. Fidêncio Vanboemmel, Provincial dos nossos irmãos da Ordem dos Frades Menores, responsável pela Província da Imaculada Conceição do Brasil e que estava em Visita Fraterno Canônica no Estado do Rio de Janeiro.


Recebemos também a visita de Fr. Ivo Müller, guardião do Convento de Santo Antônio e que é Comissário da Terra Santa, estava de partida para mais uma viagem para aquele local sagrado. Pediu a todos orações para que fizesse uma boa viagem e levou nosso pedido para ser colocado no Muro das Lamentações de fortalecimento, aumento em número e em espiritualidade dos irmãos de nossa Fraternidade.



Todos os irmãos visitantes foram acolhidos com o muito carinho por nosso Assistente Espiritual Fr. Vitório Mazzuco, por todos os irmãos da Fraternidade e, em seguida, nos dirigimos para a celebração da Santa Missa.








Após a Missa, os irmãos do Conselho Local se reuniram para conversar e ouvir as orientações de Fr. Fernando Araújo,OFM que ao final abençoou a imagem de Santo Antônio, que ficará na sede da Fraternidade, com a água do Rio Amazonas, trazida pelo irmão Arion quando de sua ida a Manaus no Capítulo Nacional da Ordem Franciscana Secular.