Pesquisar este blog

sábado, 19 de fevereiro de 2011

ANTÔNIO Palavras de fogo, vida de luz





“Não tema as pessoas, padre. A verdade não deve ser abandonada por se temer oposição. Por temerem oposição os pregadores cegos ficam sujeitos à cegueira da alma. São “cegos guiando cegos”. Alguns homens ricos dão a pregadores o esterco de bens terrenos para escapar de repreensões. No entanto, padre, peço-lhe que seja um pregador autêntico que dá importância alguma a prata e ouro. São Pedro admoesta: ‘ Sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós; cuidai dele, não por coação, mas de coração generoso; não por torpe ganância, mas livremente; não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas antes, como modelos do rebanho´. Não sirva com sua própria força, mas com o poder de Deus, para que, em tudo que você faça, Deus seja honrado por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo.”

“Frei, tentei fazer isso, mas o fruto é pequeno.”

Antônio tomou o resto de sopa de sua tigela e então a emborcou. “O que é essa pequena fenda, padre?” perguntou ele, apontando para um pequeno sulco serpentino na madeira.

“Foi um inseto que fez isso, frei. Ele estava na madeira quando esculpi a tigela. Sinto muito não ter tigelas melhores para oferecer.”

“Tudo bem com a tigela, padre.” Antônio apontou para o túnel. “Você diz que foi um verme que fez isso. O verme fura e corrói a madeira. Da mesma forma, um pregador deve furar e corroer os corações endurecidos pelo pecado que não produzem fruto. Nada é mais duro do que um verme fazendo um furo na madeira. No entanto, nada é mais macio ao toque do que um verme. Portanto, um pregador deve ser afável, tratando almas arrependidas e humildes com compaixão e misericórdia. Assim, quando você pregar a palavra de Deus, pregue com determinação e firmeza para tocar o coração de seus ouvintes . Entretanto, se esses ouvintes proferirem insultos e afrontas contra você, permaneça gentil, clemente e amistoso.”

Vito acenou afirmativamente com a cabeça. Tinha tentado fazer isso durante toda a vida.

ANTÔNIO Palavras de fogo, vida de luz - Madeline Pecora Nugent - Paulinas

Nenhum comentário:

Postar um comentário